Ao utilizar este website está a concordar com a utilização de cookies de acordo com o nossa política de privacidade.
Enquanto Apropriação

Fluids do not keep to any shape long and are constantly ready to change it; and so for them it is the flow of time that counts, more than the space they happen to occupy.

— “Liquid modernity” by Zygmunt Bauman

The dynamics of contemporary thought are in the deconstruction of static disciplines that had their fixed position in time and space. The questioning of the craft in itself and its relevance in the current context leads us both to the pursuit of what is new and of what already exists. The intent to know, interpret and translate various disciplines, created the hybrid identity of the |between|, where the overlapping of methodologies merges and the lack of definition of the visual language becomes a new narrative.

Enquanto apropriação is an exhibition where architecture is observed by different narratives as it is appropriated by photography, illustration, design, painting, sculpture, writing, and local businesses.

 

The texts presented below are from Francisco Ribeiro Rosa who wrote a few lines on each presented work.

ANDREIA GARCIA

andreia

Ele estava sentado. Cruzava as pernas com pose delicada. Calças beges, sapatos castanhos. Não usava meias. Tinha uma camisa azul, mangas dobradas até ao cotovelo. O cabelo era cinzento e curto. A barba aparada nessa manhã. Usava óculos. Aro simples. Discretos.
Vivera uma vida na Europa. Estudara na Europa. Tivera professores europeus. Namorara colegas europeias. Trabalhara em firmas europeias. Defendera interesses europeus.
Quando o apresentaram, disseram: É um dos escritores árabes mais conhecidos do mundo.
Mas a que mundo pertenciam as suas palavras?

— Francisco Ribeiro Rosa

BRUNO CARVALHO

small-haven_10

Um pilar caiu.
O betão que sustinha não cedeu.
Da sua nova horizontalidade, o pilar se fez assento.
Homens que iam e vinham, se sentavam e erguiam.
Mas a intransigência do betão não é eterna.
O peso da humanidade é volátil.

— Francisco Ribeiro Rosa

FRANCISCO NOGUEIRA

nogueira

A mulher entra em casa. Acende as luzes. As superfícies são planas. Limpas. Arrumadas. Objectos e espaços compostos por ligas metálicas e plásticos brancos. A mulher não vê nada de errado.
Senta-se.
A janela é ampla, sem cortinas. Fria. A cidade é uma imagem estática. Bonita. Tudo está longe.
A mulher não sabe o que fazer.
O seu refúgio é a escultura. A casa merece ser suja.

— Francisco Ribeiro Rosa

JOÃO MOURO

joão m

O espaço é feito de matéria.

— Francisco Ribeiro Rosa

LOURENÇO CASTRO

Lourenço Castro

A mulher fazia sempre um pequeno percurso até à paragem. Percorria apressada junto a um muro amarelo. Ela gostava do muro amarelo. O seu quotidiano era a sua casa.
Quando pintaram o muro para anunciar uma greve, este deixou de ser amarelo.
Nesse dia a mulher parou junto ao muro. Há algo no poder de parar.

— Francisco Ribeiro Rosa

MARTINHO PITA

2_bichoC_Martinho Pita

A árvore cresceu. Passou a dar sombra durante o dia. Quando lhe penduraram uma lâmpada nos ramos, a árvore que de dia dava sombra, passou na noite a dar luz.
A árvore cresceu, a sua copa aumentou, brotaram-lhe as flores e os frutos amadureceram.
O tempo surgiu-lhes no mergulho para a terra. A fruta consumiu-se nos vermes do fim e os anos expandiram a semente. Uma nova sombra cresceu.
Um dia as ligações romperam-se com o tempo. A lâmpada mergulhou para a terra. Nesse gesto derradeiro procurou-se imitar o esforço orgânico. Do seu estilhaço, uma nova sombra cresceu.

— Francisco Ribeiro Rosa

NUNO PEREIRA

_MG_8507

O homem ocupou um espaço. Descobriu o tempo. O homem passou a habitar o espaço.
O tempo passou, ocupou e cessou o espaço do homem.
O tempo habitou um espaço. Descobriu-se a ruína. O tempo passou.

— Francisco Ribeiro Rosa

ÉRICA ZINGANO & SARA ORSI

ericasara

O papel falava a voz limpa e una.
Quando lhe perguntaram pela apropriação, desdobrou-se pelo espaço, e da sua voz limpa
e una se despossuiu na pluralidade da contradição.
E quanto mais se despossuía, mais espaço tomava.
A dúvida é ampla. A verdade requer o seu espaço.

— Francisco Ribeiro Rosa

+INFO

Invite
Opening Photos